Black Friday Brasil o sucesso de vendas!

Durante a Black Friday Brasil 2013 muita gente reclamou que os preços estavam iguais a outras épocas do ano e as promoções não eram reais pois as lojas aumentaram os preços e aplicaram descontos sobre o preço reajustado, que os descontos eram de 50% do dobro do preço, entre outras reclamações (até um tumblr fizeram para postar as promoções fajutas http://ofridayfiasco.tumblr.com/).

Porem o que se viu no mundo real foi RECORD de vendas do ano de 2013.

E por que isso aconteceu?

Simples. As pessoas não são movidas pela verdade e a verdade não as interessa.

Antes da Black Friday, todas as grandes lojas fizeram campanhas massivas de anúncios na televisão, rádio e internet anunciando os tais descontos, e os preços baixos que só na black friday poderiam ocorrer, e a população como sempre, acreditou!

A televisão exerce grande influência na vida, rotina e decisões das pessoas, por isso é o meio mais caro de se anunciar e o governo está de olho em sua “regulamentação” para então poder colocar quem eles quiserem para falar bem deles mesmos e mostrar como eles são bons em tudo o que fazem, mantendo assim a sensação de bem estar e o povo sob controle.

Agora já sabemos, black friday 2014 será outro sucesso de vendas, se pelo menos até lá o governo permitir e nós designers poderemos aproveitar mais fatias desse bolo.

Faça Negócios, Faça Design.

Fonte das informações da Black Friday 2013:
http://www.meioemensagem.com.br/home/marketing/noticias/2013/12/02/Black-Friday-movimenta-770-milhoes-de-reais

Anúncios

Experimento comunista com os macacos

O regime comunista, na prática, se utiliza de 2 classes de pessoas.

A primeira, é a elite intelectual e governamental. Que são aquelas pessoas que trabalham para o governo e são filiadas ao partido comunista. Essas pessoas são as mantenedoras do regime comunista e recebem gordas recompensas para trabalhar em prol do socialismo.

A segunda classe são formadas pelos proletários.
Pessoas que devem permanecer caladas, sem poder de decisão, fazendo o trabalho pesado para a máquina da economia girar, dando mais dinheiro para o governo e como consequência mais poder ao partido comunista.

Neste video um simples experimento com macacos mostra o por que do regime socialista e coletivista não conseguir se impor a não ser pela força de repressão do estado.

Faça Negócios, Faça Design!

Design para melhorar a vida das pessoas no mundo real.

Muitos designers pensam, projetam e criam itens para o mundo fantasioso onde os produtos nunca saem para o mercado própriamente dito.

Foi isso que passou o designer Timothy Prestero, ao criar um objeto de alta necessidade porém de pouca usabilidade.

O que ele fez para contornar a situação? Design centrado no usuário, levando em conta um item importantíssimo, o ACESSO á esses produtos pelos usuários pensando na produção do produto, afinal, produto que não chega ás pessoas não tem utilidade.

Veja no video abaixo a palestra no TEDx Boston legendada em português.

Faça Negócios, Faça Design.

Design e Capitalismo

O design e o mercado são como o arroz e feijão, mas no Brasil e na América Latina, estamos caminhando para um regime onde o designer só terá função para fazer pintura em paredes, ou cartazes idolantrando as “conquistas populares”.

Já vimos diversos protestos contra o livre-mercado (capitalismo), e várias vezes ouvimos nossos representantes proferirem discursos contra este sistêma econômico. Porém, você designer, antes de entrar na onda de protestos contra este sistema econômico, fomentada pelos militantes da esquerda, pense em como seria um mercado sem design e principalmente sem o livre-mercado.

O video abaixo ilustra bem como seria esse mundo.
Vejam:

Para melhorarmos o cenário do design no Brasil devemos apoiar o livre-mercado (capitalismo) pois é através deste sistema que podemos prosperar e ter reconhecimento e lembre-se: Quem apóia o socialismo ou regimes de esquerda, principalmente os designers que fazem isso, é porque gostam de dinheiro público e dependem dele para sobreviver, ou gostariam dele para viver, e como bons advogados fazem seu papel brilhantemente.
Faça Negócios, Faça Design!

100 marcas mais valiosas do mundo 2012

O estudo divulgado hoje, dia 01/10 pela interbrand apontou as 100 marcas mais valiosas do mundo.

A Coca-cola continua na liderança com uma marca avaliada em Us$: 77.839.000.000,00 (Setenta e sete BILHÕES de dólares), em segundo lugar aparece a Apple com um valor de mercado de Us$: 76.568.000.000.00 , pouco mais de Us$:1 bilhão de diferença para a Coca.

Porém, para nós designers o que isso significa?

Acontece com freqüência confundirmos valor de marca com valor do logotipo.

Os logotipos são os ativos intangíveis da empresa, em posts futuros falaremos sobre isso, já a marca leva em conta muito mais coisas que simplesmente a sua identidade visual.

Para realizar esse ranking, a interbrand utiliza 3 requisitos que contribuem para o valor da marca: O desempenho financeiro do produto ou serviço, o papel que a marca desempenha ao influenciar a escolha do consumidor e por último o poder que a marca possui em comandar um preço premium.

O desempenho financeiro do produto ou serviço:

Como já explicado neste blog, toda empresa existe para gerar recursos para a própria empresa e também para seus acionistas, o que geralmente chamamos de lucro (calma, não se assuste com essa palavra!), pois é através destes recursos que a empresa investe em pesquisas e desenvolvimentos de novos produtos gerando um negócio sustentável ao longo prazo e se mantendo no mercado por mais tempo.

 O Papel que a marca desempenha ao influenciar a escolha do consumidor:

Quando você vai a um restaurante e pede um refrigerante, o garçom afirma com tristeza que eles não tem a marca que você pediu porem, tem a outra que também é boa. Isso é o papel que a marca desempenhou ao influenciar a SUA escolha, isso acontece com todas as marcas avaliadas pela interbrand, não só no caso do refrigerante.

E agora o mais interessante, O poder que a marca possui em comandar um preço:

Pode parecer que não, mas é a Coca-cola quem estipula o preço que seu produto será vendido pelos comerciantes e a margem de lucro que eles terão, alem do contrato de exclusividade quando o comerciante possui uma geladeira da empresa. Isso faz com que a empresa mantenha o controle do mercado, é claro que o comerciante pode vender uma coca cola pelo preço mais alto, mas dificilmente ele venderá mais barato que seu concorrente pois a margem de lucro da coca-cola é pequena. Muitos supermercados compram grandes quantidades para lucrarem apenas R$: 0,05 por lata vendida. Isso mostra o poder da empresa e os estudos mercadológicos envolvidos em sua cadeia de distribuição.

Por fim, são esses fatores que levam uma marca a ser reconhecida no mercado e não simplesmente um logotipo e uma identidade visual bem feita, isso ajuda, e muito porém, nós designers temos que estar a frente de questões estratégicas dos negócios e em conversa constante com a alta diretoria das companhias para isso é importante um approach com comunidades de administradores e profissionais do marketing.

Faça negócios, faça design.

Fontes:

Exame http://exame.abril.com.br/marketing/noticias/as-100-marcas-mais-valiosas-do-mundo-em-2012

Interbrand http://www.interbrand.com/pt/best-global-brands/2012/Best-Global-Brands-2012-Brand-View.aspx